Domingo, 13 de Março de 2005

Um dia no Posto Médico

Ontem gramei a pastilha de passar o dia inteiro no posto médico. Entre bocejos e olhares furtivos à televisão, lá fui matando as horas que naquele lugar se assemelham, mais do que deviam, às pilhas Duracell.
Pode parecer arrogante, mas quando me desloco a este tipo de locais entro como que numa espécie de coma social: a minha comunicação com a restante população da sala de espera limita-se a um simples “boa tarde”, pois a experiência ensinou-me que se for além disso corro o risco de passar o dia a ouvir falar de varizes e reumatismos, frieiras e esgotamentos – deles e dos restantes familiares – e de outras tantas maleitas cujos nomes fariam qualquer perito na especialidade rebolar a rir e que em nós provocam uma gargalhada contida. E isto tudo num sotaque e num volume sonoro capaz de ferir qualquer tímpano menos susceptível.
A certa altura, despertou-me do meu transe social uma voz grossa e desempoeirada vinda de um espécimen gordo e andrógeno e dei comigo de orelha levantada, qual cão perdigueiro, à caça da história que entretinha a sala. Ao que parece a mãe, pequenina e aí de uns sessenta anos a aparentarem oitenta, tinha gripe e o filho, grande e balofo, funcionário da Câmara Municipal, saíra mais cedo do emprego para a acompanhar à consulta. E todos se deleitavam com a sorte daquela progenitora em ter dado à luz um rapaz tão carinhoso e prestável, capaz de fazer tanta companhia. O quadro em si era delicioso, fazia lembrar aquela velhinha do “Viva o Gordo”, que tinha o Jô Soares como filho e que dizia constantemente por entre abraços e beijinhos: “pensá qui saí di dêntro dêla?!”. Até aqui tudo bem, a confusão começou apenas a instalar-se quando o dito rapaz se começa a queixar do tempo e a dizer que este o deixa triste e cansada. Os ouvidos da velhota zarolha, à minha frente, continuavam a traí-la e a perguntar ao filho da outra se ele tinha namorada. E os da senhora dos óculos de varejeira não deviam querer estar a acreditar e insistiam em trata-lo no masculino do singular. Foi preciso a mãe pequenina, e no alto da sua voz engripada, pôr-se em bicos de pés e dizer que não, que a filha não era um filho, e que o matulão ali à nossa frente se chamava Susana. E não foi à primeira que a Zarolha quis perceber, mas lá acabou por ceder, e culpar a trombose, que a fazia ver tão mal, e até tirou os óculos e tudo, para mostrar a “bistinha” que a levara ao engano. A Varejeira era mais expedita e ficou calada a digerir a notícia, a pensar lá para com ela que o mundo anda todo ao contrário e a jurar a si mesma que aquela Susana teria, no mínimo, um micro pénis.
E foi, então, a vez da velhinha ser atendida. Despediram as senhoras por entre pedidos de
desculpas pela confusão, às quais a Susana respondeu com um “não faz mal” marialva e entrou, com andar gingão, atrás da mãe, no consultório com cada um dos seus braços roliços – mas musculados – à volta do pescoço de uma enfermeira.

(9/03/2005)
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:59
link do post | comentar | favorito

ver perfil

seguir perfil

. 9 seguidores

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Era uma vez...

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Novembro 2017

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds