Quinta-feira, 9 de Fevereiro de 2006

A Briga

Hoje, Demiurgo voltou para ver Lunata.
Como o esposo que regressa ao lar, cobardemente, depois de se ter perdido de amores, temporariamente, por outra donzela, também ele voltou cabisbaixo, carente e acima de tudo − e isto ele jamais confessará a Lunata − tremendamente humilhado. Ou pelo menos, na sua insegurança de “intruso” no Aldebarã, era assim que ele se sentia.
Todos nós sabemos que bar que é bar tem direito, de vez em quando − e sobretudo por parte dos seus clientes de sexo masculino − a ânimos exaltados, tons de voz elevados, picos de adrenalina, descargas exacerbadas de testosterona… mas o que Demiurgo estava longe de imaginar e, pior, de desejar, é que fosse ele próprio o protagonista da primeira briga no
Aldebarã.
Reinava a maior gozação, com José Alencar entretido em danças nativas com a recém chegada Iracema, acompanhados ao batuque por James Joyce e seguidos por todos os ilustres presentes que, despojados de suas roupas − chapéus, paletós, coletes, camisas, calças, ceroulas, sapatos e polainas − se entregavam às maravilhas “orgiásticas” do bailado das virgens de tucumã. A certa altura, aproveitando o momento em que Joyce marcava os compassos apenas com meneios, um tal de Homem dos Limões teve a infeliz − e distraída − ideia de sugerir que se atassem quatro balões às pontas do
Aldebarã, de forma a que este pudesse levitar e percorrer, assim, os céus do mundo inteiro. Ora, Demiurgo, um homem de ciência, habituado a unir e desunir moléculas e átomos na exacta proporção de uma precisa receita culinária, obcecado pela exactidão, pelo perfeccionismo, pela lógica e pela razão − e também, diga-se de passagem, um pouco solto pelos suspiros de musas, pelas beberragens artesanais e outras mistelas servidas no Aldebarã − ouve aquilo e…, pois, está claro, deixa sair, mais para si do que para os outros, mas, infortunadamente, em voz alta, a seguinte exclamação: − Homessa, mas não era já o Aldebarã um bar-nave??!
Em maldita a hora o fez! Paulinho Assunção, ali ao lado, ouvindo-o e não perdoando, atira-se a ele de dedo em riste, acusando-o, vejam só, de “realista”! E foi vê-los num duelo de esgrima, desembainhando insultos: “Se eu sou realista, vós sois distraído!” argumentava um; “Mas o que é a redundância senão um temor dos realistas?” dizia o outro; “Vós já o havíeis afirmado a treze de Janeiro” atirava, novamente, Demiurgo; “Só os realistas vêem o perigo na repetidão, o perigo nas contradições, o perigo nos deslizes, o perigo na doce e desgovernada dialética.” parafreseava, Paulinho Assunção. E arremessava ainda, sublinhando, com Iesus Molerus e o seu famoso Tratado de ir e de voltar, citando a cidade, o ano e, calculem, a página!
Formara-se um círculo em volta deles e se aqueles homens desnudados, há minutos atrás, durante a dança, conferiam ao
Aldebarã um ar pitoresco, agora, ali, tentando apartar aqueles dois cavalheiros exaltados, de sexos flácidos, barrigas abundantes, canelas tísicas e rabos chupados, eram dignos de um cenário, verdadeiramente, degradante.
De tamanha decadência, só Eça parecia ter consciência e, gargalhando, como era seu hábito, agarrado à sua elegante barriga peluda, teimava em repetir: Este bar é, mesmo, uma anedota!

E foi depois deste vexame, de ego ferido e envergonhado que Demiurgo regressou a casa de Lunata, procurando nos seus braços o conforto de um porto seguro, buscando no seu aconchego a compreensão dos verdadeiros amigos.
Mas Lunata não estava. E, assustaram-no, no chão, os restos dos seus cabelos de fada. [
SBB]


Nota: O Bar Aldebarã é um projecto e ideia única e exclusivamente da autoria e responsabilidade dos escritores Manuel Jorge Marmelo e Paulinho Assunção, sobre o qual eu, com o conhecimento e consentimento dos autores, volta e meia, divago.
 
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:30
link do post | comentar | favorito

ver perfil

seguir perfil

. 9 seguidores

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Era uma vez...

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Novembro 2017

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds