Terça-feira, 22 de Agosto de 2006

O meu Grilo morreu

O meu Grilo morreu.
Chorei-lhe a morte na madrugada em que fui dar com ele imóvel, silencioso e lhe toquei com um dedo para o fazer mover-se. Não se moveu. Arrepiei-me ao percebe-lo sem vida. Tive nojo. Sempre tive nojo da morte. Nunca soube lidar com ela. Nem com a perda, ou com a despedida. Por mais que os anos me concedam o treino e a experiência da vivência destes sentimentos não os encaro com naturalidade e sinto-os com a mesma, forte e inexperiente, intensidade da primeira vez. Talvez tenha um trauma de infância, não sei. Não é lá, afinal, onde vamos buscar todas as (des)culpas para as nossas incapacidades? Talvez as partidas para o estrangeiro da minha mãe com o meu irmão às portas da morte me tenham ficado gravadas no subconsciente. Não sei. Na altura ninguém o diria, tal era o conforto emocional − e a família numerosa − com que me deixavam.
A despedida sufoca-me. A perda angustia-me. Deixam-me com as pernas bambas e o estômago emaranhado, incapaz de suportar qualquer sustento para a minha sobrevivência. Recordo-me de um dia, em criança, ter brincado com a minha irmã e uma amiga aos náufragos: o sofá da sala era o barco onde elas, felizardas, conseguiram flutuar rumo a terra; a tijoleira, o mar alto onde a corrente me arrastou para longe. Ainda hoje me lembro, como se as tivesse ouvido agora, as palavras que me gritaram de despedida: A-D-E-U-S… e acenaram. Escusado será dizer que me tiveram de levar a casa em braços, lavada em lágrimas. A partir daí bani essa palavra do meu vocabulário: para mim existirá sempre e apenas um “até já”.
Mas, dizia eu, o meu grilo morreu e só hoje, depois de um velório negligente, contingência de véspera de partida para férias, fui capaz de tratar das exéquias. Enterrei-o no jardim de casa da minha irmã onde um dia equacionei soltá-lo em vida. Talvez tivesse sido mais feliz, talvez tivesse vivido mais tempo… talvez tivesse sido comido por um predador… ou não. Sei apenas que lhe sinto a falta, mesmo sendo apenas um insecto, e que são as coisas, assim, insignificantes que, dia após dia, acabam por marcar esse relevante facto que é a nossa vida.

[Escrito a 15.07.06]
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 11:37
link do post | comentar | favorito

ver perfil

seguir perfil

. 9 seguidores

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Era uma vez...

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Novembro 2017

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds