Sábado, 5 de Agosto de 2006

É a Festa!

Detesto touradas e faço minhas as palavras da Vieira do Mar num dos seus últimos posts, pois não consigo conceber nenhuma razão, e muito menos cultural, para permitir torturar e fazer sofrer animais, sejam eles moscas, coelhos, touros ou crocodilos. Fraquejo, apenas, na estética e indumentária, sensual e barroca que, tenho de admitir, me agrada, mas não o suficiente para me fazer ceder nos meus determinados princípios.
Acontece que, no Domingo passado, dei comigo, excepcionalmente, divertida, incapaz de arredar pé da frente da televisão, a ver na TVI a 2ª Grande Corrida das Mulheres.
No início até pensei que se tratava de um “Caras Notícias”, tal era a quantidade de tias e tios, meninas e meninos, super giros, bronzeados pelo sol da Quinta (do Lago) e aloirados pelo salitre do mar do Ancão. Mas o que me prendeu mesmo foram os comentários patéticos, as frases absurdas dos comentadores e o facto de Deus parecer estar do lado dos toiros.
Primeiro, incutiu-os de uma preguiça e desinteresse tal que deixou as cavaleiras, elegantérrimas nas suas casacas perfumadas de Chanel, esvoaçando as suas belíssimas madeixas loiras, ridículas nos seus repetitivos oh oh oh oh toiro!, às voltas, feitas tontas, na arena.
Depois, os tais comentários, de chorar e bradar aos céus: que o touro vinha pouco entusiasmado (ora, pudera, quem não o faria se fosse para ser picado?!; que era distraído e se desinteressava, que não prestava atenção à cavaleira (pois, fazia ele muito bem!); que se sentia mais seguro voltando para a porta de onde saíra (claro, coitado, também eu me sentiria!). E, no fim da lide, vinha o balanço: que o touro não esteve bem, que não colaborara, que a cavaleira estivera melhor do que ele, como se de um espectáculo consciente e racional para os dois − animal e humano − se tratasse.
Seguiram-se as pegas: mais rapazes giraços, bem apessoados, surfistas de profissão, aposto, todos muito católicos, benzendo-se e rebenzendo-se antes de enfrentar a besta, não vá a Besta colhê-los. Se bem que nas touradas esta me pareça única parte justa, ou pelo menos a mais equitativa (mais de quinhentos quilos de gajos para quinhentos quilos de toiro mais cornos) não entra na minha cabeça − e, olhem, talvez seja por ser sensata, de gaja − qual o prazer de gingar apaneleiradamente em frente a um bicho, candidatar-se a deslocar umas costelas, partir um braço ou, quiçá, até morrer, para se sentir mais viril. Sim, porque é disso que se trata, bem vistas as coisas: um tipo armar-se em frente a um animal para se sentir mais macho, porque se fosse pela adrenalina ou aventura ficava-se pelas ondas do guincho. Não entendo, a sério! Armem-se em frente às namoradas ou mulheres, ponham as mãos nas ancas, exponham o peito e os genitais e gritem virilmente: Ei, choca! Oh oh oh oh vaca! Acho que faz mais sentido.
Mas o top dos comentários veio exactamente aqui, quando, após várias tentativas, o forcado falha mais uma. Diz, sábio, o comentador que o forcado não consegue abrir as pernas no momento da reunião com o touro, daí o seu insucesso. Pois, e quem abriria?! Eu, não! Bolas, era só o que faltava!
E, depois, foi um desfilar de emoção: um forcado com um braço partido; outro, sem sentidos; uma data de cavalos tocados pelo toiro; um caído no chão com a respectiva cavaleira; até no público, não resistindo a tantos nervos, alguém se sentiu mal!
Enfim, como diz o tal sábio comentador, é a festa, senhores, é a festa! Vai lá a gente mas é entender porquê.

REUTERS/Marcelo Del Pozo
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 21:19
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Goiaoia a 31 de Agosto de 2006
também eu, também eu... Mas foi a melhor tourada que vi e hei-de ver em dias de vida, muito provavelmente.

Num gramo touradas, mas, e em se calha a ver, torço sempre sempre pelo touro.
E, pois, num zapping, a horas mortas, passo por ali uma, duas vezes. Nisto, pega de caras! alto lá... [pega de caras é qualquer coisa... de atávico, que me remete para muito muito longe nos antigamentes. Fascina-me como representação da eterna luta (e superação) do homem contra a besta. é pena é que o bicho já esteja massacrado... Proponham-me um "espectáculo" só com pegas e sem farpas... e até era capaz de lá ir. Mano-a-mano, mãos limpas... uns contra o outro.
A "pega" é qualquer coisa de extremos, para lá de radical. As primeiras imagens que se conhecem de prácticas com bois selvagens surgem em Creta (salvo o erro, mas é numa ilha mediterrânica) e nestas figuram uns acrobatas a saltarem por cima e a evitarem, esquivando-se, de touros (ou lá o que eram os bichos e como lhes chamavam.).] O toureio a pé e sem lâminas é admirável.

E, a falta de melhor, ponho-me a ver. O bicho enorme e os outros... - eh! eh! vem cá! - e o "Gajo" foi. E é como contas... pinfas, uma duas, três a perder de conta, já vinham com "ajudinhas" e tudo. O "cabo" tinha a cara num bolo mas, infelizmente, era sangue do lombo do Bicho. Mas o bicho vingou-se. Impagável. Hilariante.

Entretanto, sai o bicho e entra outro. Este mais pequeno, 400 quilos de nervo. Entra uma cavaleira loura-castanha e Catra-Batunfas: 3 cavalos, três, precisou a senhora. O mais incrível é que a besta (estou a falar da senhora) debutante (se não era a segunda era a 3.ª corrida, disseram os locutores) é adepta "daquela" escola que gosta de fazer umas rábulas em que simulam humilhar os Touros, e vai daí, após falhar miseravelmente os 1.os dois ferros, ao 3.º (e num gosto do toureio a cavalo porque ele há nisso uma grande batota. Mas num posso explicar-me agora), mais mal do que bem conseguido e com o touro desvairado no seu encalço, pois, segura de sí, deu-lhe no focinho com a ponta da haste. e vai o Touro foi-lhe ao Cú'aválo. O cavalicoque até andou em duas patas. Foi o delírio nas bancadas, aliás, na minha cadeira. - Bem feita, bem feita... - gritava com todos os meus neurónios.
Bom. O cavalo está arrumado, bom para fazer cola, aquele tão cedo não enfrenta bicho nem coisa nenhuma. Fica a "numseicomosediz" e xanaxes pó resto da vida. Venha outro. E mais outro... Aquilo num era uma cavaleira, era uma cavaladeírissa. quantos recursos, bom deus... ali, para esbanjar. Era assim como uma espécie de Ferrári, sempre a ir às "boxes" e, estas, num falhavam. Toma lá mais um cavalo. O touro tocou em todos. Merecia-lhes as orelhas e dois rabos.
E a corrida das meninas cavaleiras num se ficou por aqui. Já só faltava pegar mais este... E foi o Diabo à solta.




ps. (foi como... num jogo da bola. Entusiasmam-me as equipas muito muito fraquinhas que nisto se agigantam e dão uma abada a qualquer um dos grandes. Até ao Benfica, lol (posso dizer lol?), o que me rio quando perdem com uns desgraçados quaisquer que penm no fundo da tabela.
psst. tens um blogue muito eclético. ameaço desde já voltar. Dúvido é que torne a fazer lençóis destes (mas nunca se sabe). Na altura quis imenso fazer um poste sobre esta tourada, mas depois...

Comentar post


ver perfil

seguir perfil

. 9 seguidores

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Era uma vez...

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Novembro 2017

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds