Sexta-feira, 2 de Junho de 2006

Dias Felizes

Um facto é que, a cada dia que passa, me afeiçoo mais ao meu grilo. O seu temperamento inicial repentino, as suas indecisões e desaparecimento inesperado, assustaram-me, mas a verdade é que temos tido dias felizes, e, afinal de contas, não é isso o que todos nós procuramos?
Divertimo-nos especialmente no momento das refeições que passamos juntos na cozinha e em que eu, esganadinha de fome, farejo o frigorifico à procura de comida de considerável sustento, ougando por um suculento leitão, um bife macio de lombo, ou uma bela feijoada preta, e ele se ri de mim, da minha gula, satisfazendo-se com um prato, sem graça, de salada, sem molhos nem nada, tudo cru e insosso, ou com uma mísera peça de fruta. Não entendo, mas respeito. Talvez lhe faça bem à linha, talvez tenha imensas vitaminas, talvez a fruta lhe forneça a água de que necessita… não sei, não faço ideia, mas eu é que sem carne não passo!
E gosto de o ouvir cantar. Sempre fui boa ouvinte e, então, quando o interlocutor me é querido tem em mim a melhor receptora do mundo! Ficamos horas assim, ele a cantar, a cantar, e eu deliciada a ouvi-lo. Volta e meia até brinco com ele, mas isso só quando a música me parece repetitiva, e pergunto-lhe em tom de gozo: terá Alzheimer, o meu grilo, que tantas vezes se repete? Ele ri-se ou, pelo menos, assim me parece vê-lo fazer.
Ah!, mas os melhores momentos de todos, os meus preferidos, os de eleição são aqueles em que me deito ao seu lado e a sua simples presença me soa a conforto, a relaxamento, a prazer e se reflecte em mim como uma massagem dedicada e eficaz, com mãos sábias de mestre, tacteando-me a cervical, percorrendo-me doridas vértebras dorsais, desfazendo nós lombares imaginários… tão bem, mas tão bem me sabe, que acabo por me render, adormecendo profundamente e ronronando deliciada.
Mas antevejo dor e sofrimento e, por isso, o meu coração teme. É que os grilos são como os amores de Verão: partem com o fim da estação. E quando o meu partir… ah, aí… eu nem quero pensar!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:04
link do post | comentar | favorito

ver perfil

seguir perfil

. 9 seguidores

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Era uma vez...

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Novembro 2017

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds