Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2015

Sobre o Caminho

Passamos a primeira metade da nossa vida a sofrermos pelas dores na alma infligidas pelos conflitos relacionais e a outra metade, pelas dores físicas provocadas pelas falhas do nosso corpo. Ah, felizes aqueles que acreditam na vida eterna e no paraíso para além da morte. Torna tudo tão mais fácil!

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:40
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2015

Sobre os homens

A característica que mais detesto num homem é a promiscuidade. O abanar de cauda, com a língua de fora a qualquer rabo de saias, seja manicura ou doutora. O baixar de calças em qualquer alcova, com a testosterona a falar tão alto, incapaz de o fazer distinguir o trigo do joio. Pena é que o género masculino não entenda este conceito como eu, e que uma catrefada de lambisgóias no curriculum seja desvalorizada e vista apenas como um desovar sem importância.

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

So true, so true, so true!

Os homens nunca dizem: 'Já não gosto.' Dizem: 'O problema não está em ti, está em mim. Preciso de pensar, preciso de espaço...'. (... ) Os homens nunca o dizem porque querem que a mulher fique de reserva.”― António Lobo Antunes

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 20:08
link do post | comentar | favorito

Era alguém que me dissesse isto...

10556290_10203463597446956_4981735618819311765_n.j

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 19:56
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 18 de Abril de 2014

Ai, não aguentam, não!

Já há alguns meses vive na minha rua um casal dentro de um carro. Vivem na Foz dentro de um carro. São, talvez, ligeiramente mais novos do que eu e têm bom aspecto. Lembro-me que, quando me apercebi, me assaltou de imediato a ideia de pobreza envergonhada. Imagino-os a dormirem ali e de manhã a irem tomar banho a um qualquer balneário e a continuarem o dia num emprego precário ou à procura dele. Durante o dia nunca estão. Nem eles, nem o carro.

Não sei como ajudar, se os devo, sequer, abordar, se querem a minha ajuda. Sei que, a serem verdade as minhas suspeitas, não quero um país assim. Não quero um país onde as pessoas perdem as casas e a esperança.

Por outro lado, o desenvolvimento e a modernização das cidades e da sociedade, com todas as suas vantagens, agravam ainda mais a situação em tempo de crise: a desestruturação dos laços familiares faz com que a tia x já não se sinta responsável pelo sobrinho y; que o sobrinho y já não vá valer ao irmão z.

Hoje, quando passei junto ao carro, ela dormia encostada a ele com uma mão abandonada perto dos seus cabelos, em tom de carícia. “Felizmente, têm-se um ao outro”, pensei. Cobria-os a manta do costume: um xadrez britânico áspero bege e preto tapa-lhes a desgraça.

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 8 de Janeiro de 2013

There is just one life

Olho à minha volto e vejo pessoas, conscientemente, empenhadas em dificultar a vida dos outros, focalizando e gastando energias em objetivos mesquinhos e destrutivos. Outras, fazem-no de forma inconsciente, vingança da frustração das suas próprias existências: “Se não posso estar bem, os outros também não podem! Alguém tem de pagar pelo meu desconforto”, imagino dever ser o raciocínio na base deste comportamento.

A idade traz-nos autoconfiança, a vivência maturidade. Ou, pelo menos, assim o deveria ser. Por isso, me interrogo: para quê chatearmo-nos com ninharias, quando a vida é tão curta?

 

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 17:19
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Julho de 2012

Sobre o Caminho

 

É sempre mais fácil sofrer do que tentar ser feliz, queixar-nos do que nos falta do que valorizar o que temos. Mas há dias assim – bestiais! – que merecem ficar registados para não nos esquecermos de como a vida, afinal de contas, nos trata bem. (24.06.12)

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 17:23
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 1 de Maio de 2012

Verdades [quase] Absolutas

No comboio, ao meu lado, uma rapariga com sotaque brasileiro, conversa ao telemóvel. Fala num tom meigo, assertivo, tentando acalmar a voz do namorado que, do outro lado, adivinho exaltada. Trata-o por “quirido”, tenta um tema que o distraia da sua ira, diz-lhe que quer ver o cabelo dele… Ele, mal-encarado, continua a cuspir monossílabos ásperos. A certa altura, sentindo-o desligar-lhe o telefone na cara, exclama desesperada: “Nossa, qui grosso!”, e atira, frustrada, o telemóvel para cima da tábua aberta das costas da cadeira da frente. Com as lágrimas nos olhos, desabafa, ainda, sozinha: “Essa doeu, viu?!”. Eu não resisto, e interferindo na conversa que não me diz respeito, solidarizo-me com ela: são todos iguais: umas bestas!

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 19:22
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 3 de Abril de 2012

Vidas simples

Numa das ruas estreitas da Foz, existe uma mercearia abandonada. Na montra, como uma mercadoria esquecida, repousa um grande e gordo gato siamês. Enroscado sobre si mesmo, ignora os olhares dos transeuntes, entregue a um sono profundo apenas interrompido para seguir a posição dos raios de sol e se ir aninhar uns centímetros ao lado, onde ele incide com maior intensidade.
Todos os dias, passo, olh...o-o e invejo-o. Desafio-o a mirar-me; não quer saber. Ignora-me. Ignora ter de interagir com os outros, ter de ser reconhecido por eles, ter de construir uma carreira profissional. Ignora a necessidade de ser amado, a dor da rejeição, a dificuldade de um relacionamento conjugal.
A ele bastam-lhe uma nesga de sol, uma fêmea na época de acasalamento e um ou outro, ratitos que passem por ali.

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 19:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 21 de Março de 2012

Ah, ladrãofilhadaput@pan@leiro, se eu te apanho!...

© Foto: ?

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 16:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2012

Verdades [quase] Absolutas

Quem não é capaz de proteger a célula, jamais será capaz de proteger o corpo.

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 16:37
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2012

Coisas básicas

"Lembrei-me do que uma amiga minha uma vez numa festa nos contou, quando ao aparecer sem o namorado lhe perguntamos o que tinha acontecido: “Discutimos e deixou-me sozinha na rua. E digo-vos meninas, se nem para me proteger serve, é porque não serve para nada!”. Nunca me esqueci desta frase, porque acho que de facto é o mais básico que uma mulher espera de um homem."

 

[In "De Mãos Dadas com a Perfeição", Sofia Bragança Buchholz, Editorial Presença, pág. 133.]

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:11
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 11 de Novembro de 2010

Venha o diabo e escolha

Em Portugal oiço o orgasmo histriónico do namorado da vizinha de cima; na Alemanha, o vizinho esganiçado a cantar em turco.
tags:
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 23:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009

Contra a censura marchar, marchar!

 

"A Origem do Mundo" (1866) de Gustav Courbet

 

Este país está, de facto, a tornar-se um lugar estranho e perigoso: primeiro, a censura do magalhães no Carnaval de Torres Vedras; agora, os livros com as imagens de Gustav Courbet. E, amanhã, o que será?
 
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 00:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 5 de Julho de 2008

Oh...

Coitadinho!
 
 
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 00:56
link do post | comentar | favorito

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Sofia Bragança Buchholz

Era uma vez...

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds