Quarta-feira, 22 de Março de 2006

Finalmente, livres

Doíam-lhe os ombros, uma dor continuada, lancinante que lhe perturbava o sono e a impedia das tarefas rotineiras da sua, vulgar, existência terrena.
Ali, onde o vértice superior das omoplatas se encontrava, ao de leve, com a primeira (ou segunda) vértebra cervical, sentia, havia meses, essa “moideira” incomodativa que descia, persistente, alguns centímetros, ao longo da coluna. Impotente no seu sofrimento, havia-se resignado a ter de viver eternamente com ela.
Antes, porém, tinha consultado especialistas: sábios catedráticos haviam-na examinado, por dentro e por fora, com os mais sofisticados e modernos meios ao dispor da medicina actual. Havia também recorrido a outro tipo de sábios: os do espírito, que depois de lhe terem tentado ler a mente, invocado vidas passadas e convocado almas do além, haviam chegado ao mesmo diagnóstico que os mestres da ciência: nada de estranho existia ali, no seu corpo, e todas suas dores dependiam, única e exclusivamente, da sua cabeça.
Certa noite − uma noite de Primavera em que a Lua, generosa nas formas e na brancura, se pendurara num límpido céu sarapintado de estrelas −, durante o sono, sob aconchego das penas do seu édredon, sentiu, derradeiramente, aquela dor que a dilacerava. Dessa vez, contudo, esta foi tão intensa e dolorosa que a arrastou de um confuso e tortuoso sonho, e a despertou, em clímax, num grito violento e estrondoso, tão estrondoso capaz de acordar o sol que rompeu, imediatamente, numa manhã, clara, encantadora.
Despertada daquela angústia − e sem dores − sentiu-se tão leve, mas tão leve, que o leito lhe pareceu uma fofa nuvem, fiapos brancos de penas que aquela manhã luzidia tornava ainda mais imaculados. Estranhando tal leveza voou ao espelho, a mirar-se: os seus seios, outrora cheios e pesados, de atrevidos mamilos apontando o céu, haviam desaparecido, cedendo lugar a dois andróginos e incipientes botões; o ventre firme e roliço; as ancas fartas de mulher, haviam minguado; e onde antes terminava em triângulo, encaracolado, revoltoso, o seu sexo, brilhava agora, quase imperceptível, uma pueril penugem doirada. Nas costas, porém, ainda macias de menina, mesmo ali onde antes acabava o tal vértice, despontavam, agora, grandiosas, triunfantes, finalmente livres, prontas para voar, duas belas asas de querubim.

© Sofia Bragança Buchholz, 2006. Reprodução Interdita
 
tags:
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 22:32
link do post | comentar | favorito

ver perfil

seguir perfil

. 9 seguidores

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Sofia Bragança Buchholz

Era uma vez...

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds