Quarta-feira, 10 de Outubro de 2012

A Mulher sem Coração (VI)

O meu amor já não é assim grande, grande, grande. Como um dia foi e pensei vir a ser, para sempre [, por ti]. O meu amor desencantou-se, esmoreceu, cansou-se com a vida. Esgotou-se com a experiência e com os anos. Tornou-se céptico. Já não é eterno, imenso e incondicional. Tornou-se prático e cauteloso. Liberta-se em doses pequeninas para não ser desperdiçado em vão. Doses milimetricamente medidas para não causarem efeitos indesejados se forem rejeitadas. O meu amor tornou-se à prova de dor. Já não é, assim, grande, grande, grande como deve ser o amor.

 

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:13
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 9 de Dezembro de 2010

A Mulher sem Coração (V)

Saíste da minha vida pela mesma porta que entraste. [Mas] Chegaste, pobre, de mãos vazias, [e] partiste, rico, com elas a transbordar. Levaste contigo os meus afectos, os meus sonhos, os meus projectos. Dei-tos, em troca de [falsas] promessas, mentiras, [infundados] votos. Por [efémeros] abraços, carícias, canções de embalar, entreguei-te o meu corpo, a minha alma, a minha auto-estima. Saíste de malas cheias, farto, de ego repleto e bagagem pesadíssima na mão. Sangrando por entre os teus dedos, levaste o meu coração; o meu amor, a minha existência, deixando-me, assim, despida, ao frio. Sem pulso. Sem sangue. Sem esperança. Sem vida.
 
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:59
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Maio de 2009

Eterna por um dia [ou a Mulher sem Coração (IV)]

© Imagem: ?

É teu, o meu coração, Meu Amor,
Para que, com ele, sejas eterno.
Como um dia [um só] eu o fui. Para ti.
 
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:05
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Novembro de 2008

A Mulher sem Coração (III)


 

Mas não há forma, não há verso, não há leito
para este fogo, amor, para este rio.
Como dizer um coração fora do peito?
Meu amor transbordou. E eu sem navio.

Gostar de ti é um poema que não digo
que não há taça, amor, para este vinho
não há guitarras nem cantar de amigo
não há flor, não há flor de verde pinho.

Não há barco, nem trigo, não há trevo
não há palavras para dizer esta canção.
Gostar de ti é um poema que não escrevo.
Que há um rio sem leito. E eu sem coração.


"Uma Flor de Verde Pinho" - Letra: Manuel Alegre;
Interpretação: Carlos do Carmo

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 00:29
link do post | comentar | favorito
Sábado, 29 de Dezembro de 2007

A Mulher sem Coração (II)

Sabes, já não sinto a tua falta. Já não me interessa o que dizes ou fazes; onde foste ou vais. Não quero saber com quem andas, quem conheces, com quem estás ou sais. Não quero saber quem beijas, quem despes, quem amas ou trais. Não me importam os teus gestos, as tuas palavras, as tuas mentiras ou verdades. Nem se ris ou se choras, se és feliz ou se sofres. Não importa. É irrelevante. Porque eu, Meu Amor, – lembras-te? – já não tenho coração.
 
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:21
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007

A Mulher sem Coração

Não gosto do Natal, Meu Amor. Lembro-me de ti. Recordo-me das tuas promessas, dos teus projectos, dos teus planos a dois. Dos teus beijos. Da rapidez como se extinguiram. Como brilharam em Dezembro para logo se apagarem em Março. Da incoerência das tuas palavras, contrárias ao tempo vivido: quentes no Inverno, gélidas, já, no Verão.
Não gosto do Natal; da solidão que sinto; da ausência das tuas mãos nas minhas. Da falta da tua voz, das canções, da lareira, do presépio, do filho que nunca chegamos a ter.
Não gosto do Natal, recorda-me o tempo em que, num desvario de paixão, te dei o meu melhor presente: arranquei do peito o coração e ofereci-to, para sempre, embrulhado carinhosamente em todo o meu amor.
 
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:38
link do post | comentar | favorito

ver perfil

seguir perfil

. 9 seguidores

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Sofia Bragança Buchholz

Era uma vez...

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds