Domingo, 25 de Maio de 2008

Simão, o Crente

Personagens:
• Simão (7 anos)
• Eu

Cenário:
Mais uma noite a tomar conta dos meus sobrinhos, e estou eu e o Simão sentados na sala, a ver televisão. Nesta, passa uma telenovela que ele vê atento e onde uma mulher pergunta com voz desesperada e dramática a um homem como poderá aquilo ter acontecido?, como poderá fulaninha de tal ter engravidado?! Eu armo-me em esperta diante do Simão e respondo:

Acção:
– É simples, ora! Aquilo aconteceu porque ela e o namorado fizeram sexo!
Ele olha para mim e, devoto, argumenta, deixando-me a lamentar profundamente a oportunidade de ter ficado calada:
– Não necessariamente – refuta indignado. – Olha, a Maria, por exemplo, a mãe do Jesus, ela teve um filho e não fez sexo!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 16:13
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Eu hoje vou deitar-me assim...


Morrissey - There is a Light That Never Goes Out

Take me out tonight
Oh, take me anywhere, I dont care
I dont care, I dont care
Driving in your car
I never never want to go home
Because I havent got one...
Oh, I havent got one
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:14
link do post | comentar | favorito
Sábado, 24 de Maio de 2008

Sons de Verão (IV)

Iupiii! Afinal, era só tímido!!!
© Imagem: ?
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:34
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sons de Verão (III)

Ler aqui.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:33
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Maio de 2008

Sons de Verão (II)

Quatrocentos paus sem recibo nem garantia, por uma barata que NÃO faz barulho com as asas porque deve ser fêmea!!!
Estou lixada!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 23:46
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sons de Verão

© Foto: Sofia Bragança Buchholz

Quatrocentos paus por uma barata que faz barulho com as asas!!!
Que se lixe! Sinto-me uma mulher feliz!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:42
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 20 de Maio de 2008

A Mulher Cobra

© Foto: ?/ Na foto: Rachel Weisz

Adoro uma romaria. Não sei se por ter nascido no dia de S. João e, na véspera, já eu quase cá fora, ter pressentido a turba popular feliz de martelinho em punho agredindo-se entusiasticamente, se por durante muito tempo ter vivido em frente a um largo, onde, todos os anos, no início do mês de Junho, a adrenalina do barulho das motas do Poço da Morte e o timbre melado da voz do Roberto Carlos davam som aos meus dias.
Aos quatro anos, pelava-me por uma voltinha no carrossel mais inocente; aos seis, por uma mais atrevida no Comboio Fantasma; aos oito (já a viver noutro lugar, mas ainda assim assídua nesta festa), pelo perigo dos carrinhos de choque; aos dez, fascinava-me a aberração de uma Mulher Cobra. Esta é, aliás, umas das imagens que melhor guardo na memória e um dos mitos que mais intensamente me perseguem desde a infância. É que ainda a estou a ver em cima daquela mesa, propositadamente de espessura finíssima para nos dissuadir de pensar o seu corpo escondido nela, de cabeça estática, mas bem-falante, coroando um fantástico corpo luzidio, enrolado, de Python reticulatus. Um homem – que a minha imaginação recorda de bigode farfalhudo e sotaque acentuado do norte – fazia-lhe perguntas a que ela calmamente respondia, deixava o público escolhido a dedo (provavelmente, contratado pelo próprio espectáculo) fazê-las também, e eu ali, de olhos esbugalhados, separada daquela coisa apenas por uma baixa grade de ferro, incapaz de abrir a boca de tão aberta de espanto que estava, sabendo-me enganada, mas não percebendo como o faziam.
Já na idade adulta procurei em vão insistentemente pelas feiras populares por onde passei tal atracção e ainda agora lamento na adolescência (onde a maturidade já me permitia perspicácia suficiente para perceber o fenómeno, mas a idade me conferia interesse por tudo menos por tal temática) ter deixado escapar – imaginem, que raiva! – uma mulher polvo.
Até hoje me interrogo como faziam eles aquilo, e amaldiçoo a ASAE, ou lá que entidade é que proíbe estas coisas, por as ter feito desaparecer, e não me dar oportunidade de finalmente desvendar tamanho engodo.

[Também publicado aqui]
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 15:27
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 17 de Maio de 2008

Gostar de Homens™

Bryan Ferry fotografado por Nathaniel Goldberg para a revista GQ


E lá se foi o mito de que as fadas existem... merde!
 
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 15:58
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Porque é que eu não entendo os homens e as mulheres são umas chatas?!

“Amizades Coloridas”

Quando se fala de “amizades coloridas”, acreditem, não é ao mesmo a que nos referimos, para homens e mulheres. Ainda que, à primeira vista, para ambos a sua definição seja igual – um relacionamento sexual, sem exclusividade e compromisso emocional, prolongado no tempo, com vista à satisfação de ambas as partes – na prática, este contrato de regras, aparentemente, tão bem definidas será assinado apenas por uma delas: a masculina. Para eles, é claro que este se trata de um relacionamento puramente sexual; para elas, mesmo que com ele tenham acordado a priori – e até acreditado ser possível – a coisa não é bem assim.
Se podemos conceber a ideia de que uma mulher, seja lá por que razões forem, tenha relações sexuais esporádicas com este ou aquele homem que com ela se cruze na vida, asseguro-vos, será muito rara aquela que invista tempo, atenção, afecto – e este, por incrível que pareça, está presente, para uma mulher, num envolvimento sexual quando este é prolongado no tempo – num relacionamento sem que fique, emocionalmente, ligada a ele. Para o sexo feminino, o que mais pesa é o investimento afectivo feito na relação e este é directamente proporcional ao tempo dispendido na mesma. Pelo contrário, para os homens, o que tem mais valor é o prazer dela retirado e o factor novidade. Por outras palavras, podemos dizer que eles se prendem a elas enquanto não as conquistam; e elas prendem-se a eles depois de terem sido conquistadas.
Senão como explicar, num relacionamento sem compromisso, que se passem quando descobrem que não são as únicas? Ou que justifiquem a ausência do “amigo colorido”? Este comportamento seria, então, perfeitamente desnecessário e elas fazem-no sistematicamente. Fazem-no, também, com o invariável argumento de eles serem muitíssimo ocupados, pais extremosos em missão baby-sitting, ou até mesmo detentores de uma particular personalidade, atípica e muito reservada, dada ao “anti-social”. E nem elas imaginam, a contar pelas vezes que o ouvimos, a quantidade de homens com este particular carácter que por, aí, há!
Mas quando se vão abaixo, quando apertadas na tristeza de tão desigual investimento de afectos, elas confessam. Confessam que o seu sonho era casar, ter um casalinho de filhos com eles, enfim, um ninhinho perfeito, e que mantêm viva a esperança – e vejam só, se eles as ouviam agora! – que eles, um dia, lhes digam que é isso que querem também. Senão, porque viajam eles com elas? Porque passeiam e jantam fora tantas vezes? Porque respondem a sms e a chamadas tardias? Porque CONTINUAM eles com elas? E é aqui, meus queridos leitores, que reside mais uma grande falha na comunicação entre homens e mulheres: é que elas interpretam todos os actos deles como sinais de ligação; e eles transmitem o sinal por pura cortesia [e, como acredito pouco no altruísmo masculino, para assegurarem – obviamente – a próxima queca].

Sofia Bragança Buchholz

Crónica publicada na Revista Atlântico de Março de 2008
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 15:44
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

Ontem, hoje e amanhã...


Imaginarius em Santa Maria da Feira.

Informações e programa disponíveis aqui
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 15:44
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 15 de Maio de 2008

Eu hoje acordei assim…™


Felicíssima por saber que elas estão aí, num cinema perto de mim, a partir do dia 5 de Junho.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 18:58
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 13 de Maio de 2008

Os vermes da blogosfera

Pior do que aqueles que se escondem por detrás do anonimato, ou de um nick imbecil, e que, se divertem a mandar umas bocas, escondidos nas suas covardes carapaças, incapazes, contudo, quando desafiados, de se exporem e articularem, duas frases que seja, com sentido, são aqueles que plagiam. É que os primeiros, caros leitores, são apenas uns tristes; já os segundos, uns criminosos.
A Sofia Vieira foi novamente plagiada e como ela diz, e muito bem, já está na altura da protecção dos direitos de autor na Internet em geral, e na blogosfera em particular, ser levada a sério pela comunidade jurídica e pelas instâncias jurisdicionais e de estes vermes sociais começarem a ser condenados pelos seus actos. [Um tema para ler no Controversa Maresia].
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 23:03
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 12 de Maio de 2008

Percebes, agora, porque é que eu não me importo de ter asas?

Na foto: Hana Soukupova (VS show) / © Foto: ?
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 19:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 11 de Maio de 2008

Fugir ao trabalho

O que mais me aborrece, quando tenho de trabalhar em casa, é que despendo mais energias na tarefa de fugir ao mesmo, do que a que seria necessária para o realizar.
Vejamos:

Preparo meticulosamente o ambiente à minha volta, rodeio-me dos dossiers e dos livros necessários, sento-me, ligo o portátil e … leio todos os meus blogs favoritos! Aproveito e dou também uma olhadela àqueles que nem gosto por aí além. Depois, levanto-me para ir buscar bolachas; é que, entretanto, já passaram duas horas e o meu estômago começa a ressentir-se. Em vez de duas, como seis, para adiar o timming em que tenho de olhar para a tal papelada. Finalizadas as bolachas (sim, porque acabou por ir à vida o pacote inteiro) decido que tenho de responder àqueles mails urgentíssimos que há mais de dois meses esperam na caixa do correio. Lá vai mais uma hora e meia nisto, intercalada com idas à casa de banho, telefonemas atendidos e feitos, e o stress do objectivo não cumprido a fazer-se acumular.
Quatro horas depois já não consigo estar sentada da cadeira. Dói-me a cabeça, as costas e concentrar-me é impossível. É urgente libertar energias. Decido ir correr. Visto umas calças de fato de treino, calço umas sapatilhas e é ver-me arfar pela marginal fora, num
jogging desenfreado.
Chego a casa exausta, suada e esfomeada e pela ordem inversa satisfaço estas três necessidades: lancho demoradamente, tomo um longo banho, e deito-me no sofá onde acabo por adormecer.

Acordo, já lá fora é noite escura, dorida e mal-humorada, em pânico com a minha improdutividade. A posição em que adormeci foi a pior e o trabalho espera-me ainda intacto. Bolas! Preciso de jantar!
Ligo a televisão enquanto como, e distraio-me com os telejornais de todos os canais; são onze da noite quando me sento novamente em frente do computador e abraço finalmente o trabalho porque sei que a meta final – a recompensa – está próxima: ir para a cama, daí a nada (mas, entretanto, aproveito, ainda, para escrever esta crónica).

[Publicada também
aqui]
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 21:47
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Eu hoje vou deitar-me assim...


Ana Moura - Os Búzios

À espreita está um grande amor mas guarda segredo
Vazio tens o teu coração na ponta do medo
Vê como os búzios caíram virados por norte
Pois eu vou mexer no destino, vou mudar-te a sorte
(...)
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:54
link do post | comentar | favorito

ver perfil

seguir perfil

. 9 seguidores

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Sofia Bragança Buchholz

Era uma vez...

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds