Segunda-feira, 31 de Março de 2008

Percebes, agora, porque é que eu não me importo de ter asas?

Na foto: Adriana Lima/ © Foto: ?
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:32
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Na Caixinha de Música

Dusty Springfield - The Windmills of Your Mind
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:27
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Março de 2008

Uma Delicia de Filme

 


Belleville Rendez-vous

 

Deliciosa esta Madame Souza com o seu eterno amor pelo neto; delicioso este cão Bruno eternamente fiel aos seus donos; deliciosas estas Triplettes de Belleville eternamente solidárias para com os outros.
 
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:38
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 25 de Março de 2008

Sofia na Rua das Maravilhas



A minha rua é a mais bonita da cidade. Atrever-me-ia a dizer do país, mas sei que é, apenas, uma afirmação subjectiva e emocional. Nela, modestas casas térreas misturam-se com antigas
Villas numa dimensão humana que lhe confere harmonia.
Nesta altura do ano predominam os cheiros das rosas e das camélias, e o cantar do cuco e o chilrear dos pássaros são uma melodia constante. À noite, intensificam-se os odores, mas alteram-se os sons: o silêncio é cortado de vez em quando pelo ladrar, ao longe, de um cão, pelo movimento rápido de algum pequeno animal, pelo ciciar das árvores e dos arbustos.
Certa vez, a lua pairava alta no céu, alterei o caminho costumeiro que me leva do lugar onde estaciono o carro, a casa, seguindo pela travessa que ladeia o minúsculo quarteirão que os separa. Do lado direito, uma enorme casa – outrora palco de tertúlias literárias e serões ao piano – parece adormecida no tempo e na vida, num silêncio de cortar o coração a quem ainda, como eu, se recorda destes reconfortantes encontros. Espreito-lhe, saudosa, o frondoso jardim, miro-lhe, entristecida, as imponentes árvores seculares, adivinho-lhe, ao fundo os contornos do granito… e eis que surgido do nada, na noite escura e sombria, apenas iluminada pelo luar, qual conto de fadas, avisto um enorme coelho branco. Esfrego, incrédula, os olhos, recuo dois passos surpreendida, para logo os avançar em mais do dobro movida pela curiosidade e pelo encanto. Ele fita-me, alvo como um floco de neve, macio como um tufo de algodão, os olhos rubros como dois rubis. Estendo a mão e ele aproxima-se confiante, beija-me, ao de leve, os dedos, delicadamente, como um príncipe cortês, sedento de companhia, de uma boa conversa, quem sabe. Relembro, automaticamente, o antigo proprietário da casa, um “homem das leis”, alto e magro, de farta cabeleira branca, e quase acredito que me encontro numa história para crianças e que, por um feitiço qualquer, é perante ele que estou, agora transformado nesta espécie de roedor.
Nas noites seguintes não voltei a ver o misterioso coelho. Nem nos dias que se seguiram. E cheguei a duvidar do que os meus olhos presenciaram.
Os meses passaram e com eles as estações do ano e quase me esqueci deste surreal episódio. Mas, hoje, voltei a contrariar o costumeiro caminho que me leva a casa e a subir a travessa que ladeia a enorme casa desabitada. Não ia sozinha e relembrei a história a quem me acompanhava. Escarneceu, zombou, gargalhou, duvidou da minha sanidade mental à altura, mas estacou surpreendido, tão incrédulo como eu, quando o avistou: ao enorme coelho branco dos olhos encarnados.
Tive a certeza que não é um príncipe o coelho alvo que se atravessou no meu caminho (se o fosse, jamais teria aparecido também à outra pessoa). Contudo, estou certa de que tenho o privilégio de viver num conto de fadas e sinto-me uma verdadeira Alice na rua das maravilhas da Foz do Douro por morar onde, no meio da cidade poluída e barulhenta, cantam os cucos, florescem as camélias, e de vez em quando, aparecem até coelhos misteriosos.

[Publicado também aqui]
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 21:48
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Domingo, 23 de Março de 2008

Simão em “Quem sai aos seus não degenera!”

Personagens:
• Simão (7 anos)

• O destrambelhado Labrador de 3 meses, Spike

• O coelho Skubidu

• Eu

Cenário:
Ontem foi dia de apresentar o coelho Skubidu, habitante antigo lá de casa, ao novo cachorro, já vosso conhecido.

No jardim, o destrambelhado Labrador de três meses corre desembestado de um lado para outro, trava tardiamente, esborrachando-se contra nós e contra as coisas, para logo recomeçar numa correria infernal, as orelhas a esvoaçar, feliz, os olhos esbugalhados, de satisfação.

O meu sobrinho Simão chama-o. Ao colo tem o pobre Skubidu, coelho matreiro e arisco, sempre pronto a ferrar os seus dentes compridos num dedo, ou a bater as patas num “coice” imponente para a sua estatura.
O Spike avista-o e, na sua excitação e curiosidade, precipita-se para o coelho descoordenadamente. Eu, cautelosa, aviso o meu sobrinho:


Acção:

– Cuidado, Simão, olha que ele ainda pensa que o coelho é o almoço...
O meu sobrinho aconchega melhor o roedor ao colo e determinado adverte o cachorro:

– NÃO, Spike, NÃO! O Skubidu não é para o almoço! E depois ironicamente – porque quem sai aos seus não degenere – atira, gozão: – É para o jantar… E só se te portares bem, ouviste?!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 20:47
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 22 de Março de 2008

Percebes, agora, porque é que eu não me importo de ter asas?

Na foto: Gisele Bündchen para Victoria`s Secret
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 20:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 20 de Março de 2008

Serviço Público

Aqui há uns tempos, aquando da notícia de um Rottweiler que atacou uma criança em Loulé, o jornal Expresso mencionou uma lista de raças de cães consideradas potencialmente perigosas pela lei portuguesa.
Hoje, por razões óbvias, é minha obrigação divulgar essa lista actualizada. Da esquerda para direita, de cima para baixo, são elas:

- Rotweiller
- Staffordshire terrier americano
- Pit bull terrier
- Dogue argentino
- Tosa inu japonês
- Cão de fila brasileiro
- Staffordshire bull terrier
- Cria de Labrador


Vá, agradeçam-me!

[Postado também aqui]
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 15:22
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

... e acordar assim…

O Gato de Cheshire da Alice no País das Maravilhas

A pensar que lá se foi o meu ar teenager. Ora, bolas!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:20
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Março de 2008

Eu hoje vou deitar-me assim...

O Gato de Cheshire da Alice no País das Maravilhas

Finalmente, sem aparelho ortodontico, com a sensação de que tenho montes de dentes… enooormes!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sobre o Caminho: A Lux

"Depressa virá a Luz, qual estrela da manhã, e nascerá a aurora."
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:53
link do post | comentar | favorito

Ohhh...

© Foto: deletedpenguin

... que lindo, que querido, que fofo, que pequenino… que grande estafermo que, agora, me deu cabo de uma camisola de cashemira!


[Postado também aqui]

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 18 de Março de 2008

Jamais

Recordo os teus cabelos ébanos por entre as minhas mãos, curtos, hirtos, ásperos, entre os meus dedos, movendo-se em sentido contrário ao das minhas festas, fugindo – assim – às minhas carícias. Recordo os teus olhos azeviche, pequenos, profundos, cravados, como duas pérolas de ónix, fixados nos teus pensamentos, centrados em ti. Recordo as tuas palavras complexas, elaboradas, redondas, herméticas como o verbo dos sábios, dos magos, dos clérigos ou... dos charlatães. Recordo a tua crueldade, a tua frieza, o teu sarcasmo, o teu egoísmo, a minha ingenuidade, a minha estupidez, o meu amor incondicional, e jamais é a palavra que guardo para ti. Para o vazio que me deixaste, para a dor que me fizeste sentir. Para os longos momentos aguardados à tua espera, para as mentiras inventadas para te encontrar. Para as mentiras aceites, Meu Amor, para – efemeramente – te ter.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:26
link do post | comentar | favorito

Eu hoje vou deitar-me assim...

Uma Thurman no filme Pulp Fiction

Quase mulher, Meu Amor.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:24
link do post | comentar | favorito

Na Caixinha de Música

Urge Overkill Girl Youll be A Woman Soon.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 13 de Março de 2008

O carrossel dos quarenta

De mãos dadas, de olhos a brilhar, gulosos, como dois miúdos que param em frente de um carrossel, eu suplico-lhe numa voz mimalha:
– Querido, pagas-me uma voltinha? Oh, please, please, pleaaase! – insisto, esboçando saltinhos infantis.
Ele suspira e retorque resignado:
– Meu Deus!, ao que nós chegamos...
E lá vamos nós, os quarentões, não uma, mas duas vezes, nas fabulosas cadeiras de massagens shiatsu do centro comercial.

 

Foto retirada daqui

 

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 00:10
link do post | comentar | favorito

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Sofia Bragança Buchholz

Era uma vez...

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds