Sexta-feira, 28 de Abril de 2006

E ele respondeu:

Sim!

Sabes...o sr. Búzio não me parece lá muito bem. Sempre respingão e de mau humor. Ainda ontem, quando o fui visitar, fiquei à porta e, como de costume, soletrei o seu nome em surdina: "senhor Búzio!"; e a arquitetura/ acústica da casa do sr. Búzio fez o resto: "se-nho-nho-nhor..rrrrr Búzio-úzio-zio-io-o-o-o-o!" (palavras "ecoadas/ enroladas").
Então, ele apareceu e resmungou: "ouve lá, oh Demiurgo, quantas vezes já te disse para não gritares tão alto?", eu limitei-me a responder: "tantas quantas o venho visitar". Pressenti-(lhe) uma capitulação envergonhada... e acrescentei: "a Lunata manda-lhe um beijo do tamanho do mar". "O mar enche-me a casa cheia de areia!" respingou o sr. Búzio. "Pois... o mar... e o beijo?" perguntei-lhe. "Não quero areia dentro de casa... o beijo pode ficar!


[Texto de Demiurgo]
tags:
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:07
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

... e deitei-me assim

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:07
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Abril de 2006

Eu hoje acordei assim... ™

Imagem do filme: Match Point
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 16:29
link do post | comentar | favorito

Demiurgo respondeu!!!

Lunata não cabe em si de contentamento!
Após três anos de ausência (sim, porque nas histórias somos senhores do tempo e podemos fazer com ele o que nos apetecer, andando para trás e para a frente, para a frente e para trás como nos convier) recebeu carta de Demiurgo. E falou-lhe de uma forma tão natural, que parecia que tinha sido ontem a ultima vez que tinham trocado palavras! Na verdade, ela já o havia chamado algumas vezes, uma, duas talvez, e ele, entretido com sua vida, com seu mundo, não respondera. Desta ultima, porém, ironia do destino, chamou-o por engano. Distraída, enquanto arrumava correspondência antiga, enviou-lhe um aerograma de há anos atrás em que chamava por ele assim:

− De-mi-ur-gooo…?

E ele respondeu.
tags:
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 16:11
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Abril de 2006

Há Coisas Estranhas... xiça, que parecidos!!! (VII)

Ralph Fiennes
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 20:45
link do post | comentar | favorito

Há Coisas Estranhas... (VI)

George Clooney
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 20:39
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Abril de 2006

Uma Espécie de Redoma

Como toda a gente, tinha segredos que a ninguém confessava. Havia um, porém, que numa espécie de superstição, guardava com especial cuidado, não fosse a revelação afastar os seus efeitos mágicos.
Quando o caos se instalava, e o mundo ameaçava desabar, pegava no carro e conduzia, invariavelmente, rumo a um lugar secreto. No leitor de CD`s a música acalmava-lhe a angustia e a brisa, nos cabelos, relativizava-lhe os problemas. O sol, mesmo quando não brilhava, iluminava-lhe as ideias e a humidade − vinda do mar − refrescava-lhe as emoções.
Chegada ao local estacionava, mesmo ali, perpendicular ao oceano, e ficava a ver o voo picado das gaivotas e a invejar a sua leveza. Via-as planar, aproveitando a força do vento, num bailado dessincronizado, mas perfeito. Via-as fintar a gravidade, numa descolagem arrojada e engana-la, numa aterragem elegante. E ficava, ali, no meio delas − tantas! − num exercício sobrenatural de criatividade, a elevar-se com elas no ar e a cortar o céu com a mesma veloz graciosidade.
Depois, fechava os olhos e sentia a espuma bravia do mar salpicar-lhe as pernas, as mãos, o rosto, … penetrar-lhe os lábios − Ahhh! − num intenso orgasmo, salgado. Sentia o vento encaracolar-lhe os cabelos e sussurrar-lhe ininteligíveis segredos ao ouvido; e o cheiro da maresia invadir-lhe, violentamente, as narinas, seguir-lhe até ao cérebro e arrancar-lhe a imaginação para alto mar, sem rumo e sem fim, numa viajem alucinante de sentidos.
Depois, abria novamente os olhos e deitava-se na areia. Mergulhava, então, por ela adentro, numa movediça excursão ao centro da Terra, ao seu calor, ao seu âmago, ao seu sentido de ser…
E, sem resposta, acordava − já calma e humana − no carro que a trouxera, e que estacionara, ali mesmo, perpendicular ao oceano, uma espécie de redoma metálica onde, temporariamente, todo o mal tinha solução e todo o caos era ordem.

©
Sofia Bragança Buchholz, 2006. Reprodução Interdita
tags:
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 19:52
link do post | comentar | favorito
Sábado, 22 de Abril de 2006

Eu hoje vou deitar-me assim...

Xenia Hausner - Coco, 2002
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:02
link do post | comentar | favorito

De coração apertado…

rezo, Meu Amor, − quase certa de que o farás −, para não dares um passo em falso e me voltares a decepcionar.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:07
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 21 de Abril de 2006

Truques Culinários

Hoje fiz lagosta suada. E nem imaginam o trabalhão que me deu fazê-la, para isso, correr até casa!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 21:19
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Abril de 2006

Já tens um plano B para a tua vida?

O novo reclame do BES deprime-me, francamente. Perguntam-me se tenho um plano B para a minha vida? Eu? Eu nem um plano A convenientemente delineado tenho, caraças!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 23:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Percebes, agora, porque é que eu não me importo de ter asas?

Izabel Goulart
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 16:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

— Sabe o que é que se passa, Doutor?

"...
Doutor, voltei a sentir-me mal. Piorei, e tenho dificuldade em respirar. É insuportável... às vezes acho que vou sufocar.
Ele fora realmente apanhado de surpresa. Acho até que demorou algum tempo a reconhecer-me. Talvez não quisesse acreditar no que via. Cheguei a ter medo da sua reacção, e a sentir mesmo, naquele momento, falta de ar e o coração a bater descompassadamente, mas relaxei quando o vi levantar-se com o estetoscópio na mão, sentar-se na cadeira ao lado da minha e dizer:
— Não se preocupe, vamos já ver isso.
Preparava-se para me puxar a camisa para cima, à frente, quando tocou o telefone. Levantou-se para o atender.
— Sim, já entrou — e após um segundo de silêncio: — Não, não tem importância.
Pousou calmamente o telefone. Voltou a sentar-se. Sorriu-me com um ar malandro. Estava calmo, muito calmo e controlava, com o seu charme, de novo a situação. Eu, pelo contrário, tremia, e, quando ele encostou o estetoscópio frio no meu peito, tive a sensação de o ouvir bater nos ouvidos do João. Ele olhou-me em silêncio, piscou-me o olho. Eu fiquei ali, imobilizada, novamente com o meu coração nas suas mãos.
Retirou o estetoscópio dos ouvidos e deixou-o pendurado no pescoço, como se fosse um colar. Tentava desabotoar-me a manga camisa para me medir a tenção.
— Há quanto tempo sente essa falta de ar? — perguntou, colocando à volta do meu braço a braçadeira do aparelho.
— Há três dias — respondi sem hesitar.
— E quando é que se sente pior?
— À noite.
— Quando está deitada?
— Também.
— Também? — fixou os seus olhos nos meus.
— A partir das nove horas, começo a sentir falta... — calei-me porque ele voltara a pôr o estetoscópio.
Olhei-o em silêncio, agora verdadeiramente compenetrado no que fazia. Ouvi a som da bomba a encher a braçadeira, senti a sua pressão forte no meu braço, e depois o suspiro, o longo suspiro, a esvaziar-se.
— A partir das nove horas começa a sentir falta? Só a partir das nove horas? — gozou, muito sério, usando exactamente as minhas palavras.
Eu corrigi.
— ... de ar.
— Só a partir das nove horas? — repetiu.
Eu fiz que não com a cabeça.
— E quando toca o telefone — acrescentei.
Ele sorriu, um sorriso diferente do que fizera até então, baixou ligeiramente os olhos, voltou a levantá-los, e só depois foi capaz de me olhar outra vez.
— E de manhã, e à tarde... — continuei.
Os nossos olhos encontravam-se de novo, mas os dele fugiam, para voltarem de seguida, arrependidos, presos aos meus. Mediamos forças com o olhar e ganhava eu, mas preferia vê-lo triunfar a ele, porque a sua segurança me fazia mais feliz do que a minha própria.
Voltei a entregar-me nas suas mãos, deixei-o fazer o diagnóstico.
— Sabe o que é que se passa, Doutor?
..."






© Sofia Bragança Buchholz
In "De Mãos Dadas com a Perfeição", págs 172-173;
Editorial Presença, 2003
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:02
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Abril de 2006

Ora, ora...

© Foto: Sofia Bragança Buchholz

E eu que nem imaginava!
Pena é, parecer na fotografia que se está a desmoronar. Contudo − sou testemunha − continua lá, sólido, seguro… indestrutível, Meu Amor!
tags:
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:36
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 18 de Abril de 2006

Diálogos: XX vs XY

Ah, gostava tanto de ter assim umas asas! Brancas, divinas, imponentes…
− Não preferias ter, antes, assim umas mamas?! Cheias, redondas, suculentas...
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 14:44
link do post | comentar | favorito

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Sofia Bragança Buchholz

Era uma vez...

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds