Terça-feira, 31 de Janeiro de 2006

Preço de ocasião

“Comprou a esposa numa liquidação, pendurada que estava, junto com outras, no grande cabide circular. Suas posses não lhe permitiam adquirir lançamentos novos, modelos sofisticados. Contentou-se pois com essa, fim de estoque, mas preço de ocasião.
Em casa, porém, longe da agitação da loja − homem escolhendo mulher, homem pagando mulher, homem metendo mulher em saco pardo e levando às vezes mais de uma para aproveitar o bom negócio − percebeu que o estado da sua compra deixava a desejar.
“É claro”, pensou reparando na sujeira dos punhos, no amarrotado da pele, nos tufos de cabelos que mal escondiam rasgões do couro cabeludo, “Eles não iam liquidar coisa nova.”
Conformado, deitou-a na cama pensando que ainda serviria para algum uso. E, abrindo-lhe as pernas, despejou lá dentro, uma por uma, brancas bolinhas de naftalina.”

Marina Colasanti in “Um Espinho de Marfim e Outras Histórias”; Figueirinhas, 2003; pg. 131
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 19:52
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Tempus fugit

O tempo passa tão depressa que tenho medo de morrer sem ter vivido.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 19:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Ser mulher

E hoje, como me disse um dia um amigo, pura e simplesmente, não consigo desligar o complicómetro.
É fodido, ser mulher.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:41
link do post | comentar | favorito

IMAGEMdoDIA


Reuters/ Yannis Behrakis

"Young Kashmiri earthquake survivors peer through an opening at a humanitarian aid compound as they wait for aid delivery in Chakothi, 65 km (40 miles) east of the earthquake-devastated city of Muzaffarabad, in Pakistan-administered Kashmir, January 30, 2006. Winter weather has made life more difficult for the survivors of last year’s massive earthquake in South Asia where more than two million people have been living in tents or crude shelters patched together from ruined homes."

Reuters/ Yannis Behrakis
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:24
link do post | comentar | favorito

A Pergunta

Perdoa-me a pergunta, Meu Amor, mas não existirá, na verdade, no teu vocabulário a palavra “basta”?
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 00:05
link do post | comentar | favorito
Domingo, 29 de Janeiro de 2006

A [in]sustentável dor da ausência II

Hoje, Demiurgo voltou a não procurar Lunata. Embora sentir-se feliz lhe parecesse tarefa impossível, decidiu-se, mesmo assim, a contrariar a melancolia que se apoderara dela.
Pegou num camaroeiro que Demiurgo havia esquecido em sua casa e saiu para a rua, a caçar imagens. O frio cortava-lhe o rosto e a brisa gélida lambia-lhe, impiedosamente, os cabelos que, teimosos, lhe fugiam do gorro. Timidamente, segurando com ambas as mãos o cabo do camaroeiro, Lunata, lançou-o para a frente, agarrando na fina rede a sua primeira imagem. Curiosa, espreitou, a vê-la: era pequenina, escura, um pouco desfocada, até, sem qualquer beleza particular ou destaque especial, mas, logo, ao longe, avistou uma outra e, deixando para trás esta, correu a alcança-la. A segunda, também não era perfeita. Contudo, havia nela um fiapo de luz e uma nuvem de esperança que motivaram Lunata. E lançou-se numa busca entusiasmada, esquecida de sua melancolia, alheia ao frio, entretida com ângulos e enquadramentos, com luzes e sombras, e quando, por último, o dia findou, foi, mais uma vez, com espanto que notou que se havia olvidado de Demiurgo e de sua, tão dolorosa, ausência.
 
tags:
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 22:17
link do post | comentar | favorito
Sábado, 28 de Janeiro de 2006

Maldita testosterona

Durante uma a noite a tomar conta dos meus sobrinhos Tomás e Simão, de, respectivamente, oito e cinco anos:

− Tomás, sai de cima do Simão!
− Simão, deixa o Tomás sossegado!
− Tomás, não magoes o Simão!
− Simão, não dês beliscões ao Tomás!
− Tomás, não faças isso ao Simão!
− Simão, não puxes os cabelos ao Tomás!
− Tomás, não dês pontapés ao Simão!
− Simão, sai de cima do Tomás!
− Tomás, deixa o Simão sossegado!
− Simão, não dês murros ao Tomás!


Livra! Que Deus me abençoe com meninas!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:46
link do post | comentar | favorito

As mais belas canções de amor do mundo VI

Uma recordação do ano 2002, desta vez, na voz de monsieur Le Pen

</span>
A mais bela canção de amor do mundo VI

Aqui
</span>
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:30
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2006

Preparada para ganhar o Euromilhões?

SIMMMMMMMMMMMMMM!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 16:34
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2006

A [in]sustentável dor da ausência

Faz tempo que Demiurgo não procura Lunata. Para afastar a dor da ausência, ela prendeu, hoje, seus cabelos revoltosos num gorro grená e saiu para a rua. Cumprimentou senhor Labrador e sua esposa, dona Retrevier; Falou com dona Dálmata, afagando, no colo, o seu filho ainda bebé; e foi sentar-se no jardim, numa prosa interessante com dom Tareco, com quem ainda gargalhou quando este, num acto de atrevimento, se pôs a brincar com o pompom que lhe rematava o gorro.
E assim, por momentos, Lunata esqueceu Demiurgo e sob o gorro grená voltaram a dourar, seus cabelos. É que a vida são dois dias e tem de ser vivida um dia de cada vez.
 
tags:
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 20:56
link do post | comentar | favorito

A insustentável dor da ausência

"Passei por aqui mas não estavas... fica o beijo."
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:34
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2006

O fenómeno

Daquilo que aconteceu no Aldebarã naquela tarde, não há memória anterior. Nem os misteriosos bilhetes anónimos, nem a ameaça da presença de um tal Erre Manesse, nem Milena brincando com o bilboquê de James Joyce... nada, nadinha teve impacto igual àquilo que se passou, naquela dia, no Aldebarã.
A tarde corria prazenteira com James Joyce e Virgínia Woolf jogando uma partida de poker, Paulinho Assunção assistindo, e o inspector Quaresma, passeando, para cá e para lá, embevecido, de mãos dadas com mais uma moça que todos desconheciam. Fernando Pessoa, depois da insubordinação de Quaresma, havia-se refugiado na Montanha Mágica de Thomas Mann e, agora, ainda de ego ferido e minguado, mas, significativamente, mais calmo, descansava sobre o ventre de Cida La Lamp, que deitada numa espreguiçadeira, discutia as novas tendências literárias com Camões e Mann. Estes entregavam-se a divagações sobre os benefícios da literatura light, muito mais saudável antes de dormir, assegurava Camões, ao contrário dos clássicos, mais pesados e difíceis de digerir a essa hora do dia. Thomas Mann defendia, ainda, os escritores novos, porque são encantadores, dizia, tão cheios de talentos e graça, defendia afincadamente. Hemingway veio juntar-se ao grupo, adepto das novas escritoras, gabando Margarida Rebelo Pinto, - que estilo, meu Deus!, exclamava - , a inteligência de Inês Pedrosa e o humor de Sofia Bragança Buchholz.
A certa altura todos pararam. Cristalizaram no que estavam a fazer ou dizer, concentrando-se no que se passava, mais parecendo que jogavam a um jogo de crianças. Virgínia Woolf com os dados prontos para efectuarem a trajectória até à flanela da mesa; Quaresma com os lábios colados à pele macia do pescoço da moça desconhecida; Mann de dedo em riste na direcção de Camões… e assim por diante, todos petrificados, como estátuas, antigas. Até a nuvem que passava em frente ao sol nesse instante, parece ter paralisado, de tão escuro que se pôs o dia, de tão frio que se tornou o vento que, soprando cada vez mais forte, anunciava um violento e assustador fenómeno. [Continua] [
SBB]

Nota: O Bar Aldebarã é um projecto e ideia única e exclusivamente da autoria e responsabilidade dos escritores Manuel Jorge Marmelo e Paulinho Assunção, sobre o qual eu, com o conhecimento e consentimento dos autores, volta e meia, divago.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:18
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Janeiro de 2006

As mais belas canções de amor do mundo V

E, aqui, uma mensagem, alegre, de esperança

</span>
A mais bela canção de amor do mundo V

Aqui
</span>
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 15:57
link do post | comentar | favorito

[Promessa]

Mesmo que o sol se apague,
que a Lua deixe de brilhar,
que os oceanos sequem,
e as florestas se tornem desertos...

Mesmo que as plantas desapareçam,
que os animais morram,
que os Homens fujam
e o mundo acabe…
Eu, Meu Amor... estarei lá − [prometo-te] − para te abraçar.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:31
link do post | comentar | favorito

As mais belas canções de amor do mundo IV

Mais uma interpretação D-I-V-I-N-A-L

</span>
A mais bela canção de amor do mundo IV

Aqui
</span>
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:16
link do post | comentar | favorito

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Sofia Bragança Buchholz

Era uma vez...

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds