Quarta-feira, 31 de Agosto de 2005

Ai, Meu Amor,

De que me serve a vida sem ti, se és o meu sol, e sem ele os dias não existem?!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 02:39
link do post | comentar | favorito

Perversidades de Verão II

Gosto de fazer corridas, na piscina, com os meus sobrinhos pequenos e de não os deixar ganhar.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:38
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 29 de Agosto de 2005

E T OMA... a sério!

Eterna Descontente: − Continuas a querer inverter as coisas…
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 19:27
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sofisticação dos nomes

No outro dia, no Club de Golf, encontrei uma amiga que já não via há muitos anos. Chamava-se Cátia e a irmã Sónia. Agora chamam-se Maria e Leonor, os seus segundos nomes, e os filhos Madalena, Martim e Gonçalo.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 18:09
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Como é que eu lhe explico isto...

Personagens:
Simão, 4 anos (como já toda a gente está fartinha de saber)
Eu

Cenário:
Na piscina de um Club, “pinoca”, de Golf, eu e o Simão brincamos. Ele, sem pé, agarra-se a mim como uma cria de macaquito à mãe.
Ao fundo um senhor nada, tranquilamente.

Acção:
Simão (numa voz esganiçada, em alto e bom som): − Aquele senhor vai-te comer o pipipe*!

Eu: − Xiu, Simão, não se diz isso que é asneira!

Simão (indignado): − Não é asneira! Tu também disseste que vinha um tubarão e me comia o pilau!!!


*pipipe: variação “simãonesca” de pipi
pipi: do Lat. Pipinnu (quem havia de dizer!); s. m., órgão sexual da criança do sexo feminino.

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 14:31
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

...

Vamos para Tomar, vamos, Meu Amor
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:48
link do post | comentar | favorito

... T O M A

Eterna descontente: − Pára, estás a inverter as coisas… PÁRA!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:44
link do post | comentar | favorito

Jogos Perigosos

osCHINELOSdeBYRON: − A

Eterna Descontente: − Alma? Alucinação? Almoço?... (risos)

osCHINELOSdeBYRON: − M

Eterna Descontente: – Ante Meridien? Ambrósio?

osCHINELOSdeBYRON: − O

Eterna Descontente: − Amo? O meu Amo?? Oh, tudo pelo meu amo, Senhor!!! (mais risos)

osCHINELOSdeBYRON: − T

Eterna Descontente: − Pára, estás a entrar num jogo perigoso… pára, PÁRA!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:29
link do post | comentar | favorito

Ausência

Diz-me, Meu Amor, como és capaz de não sofrer a minha ausência, se a tua falta me desfaz, me despedaça, e me esfrangalha num infinito de pedaços?!
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 04:07
link do post | comentar | favorito

NAVEGANDO no TEMPO


Sofia Bragança Buchholz

A chegada

Vista do Aeroporto Francisco Sá Carneiro no Porto/Portugal, de dentro de um avião da Air Europa, acabado de chegar de Madrid, no dia 29 de Julho de 2005.

Foto e Texto/ © Sofia Bragança Buchholz
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:17
link do post | comentar | favorito

CRÓNICAS DA ABELHA MAIA EM MISSÃO HUMANITÁRIA – QUÉNIA: Crónica 6 (cont.)

Samburu...
No inicio de Junho tive um fim de semana prolongado e eis-me a caminho do Nordeste. O destino era a reserva Nacional de Samburu e Buffalo Springs.
A Norte do Monte Quénia, a terra é arida e o clima quente. Para variar, ja que em Nairobi esta frio (15°) e chove 1 a 2 dias por semana...
Do lado Este, Samburu, uma planicie a perder de vista com uma pequena colina mesmo no meio... Do outro lado Buffalo Springs mais montanhoso, mas igualmente arido. A separar as 2 reservas, uma linha de vegetaçao cerrada e o rio Ewaso. Apesar de muito largo, o caudal do rio, nao tinha mais que ½ metro de profundidade.
Mal o sol nascia, la estavamos nos a sair de jipe em direcçao à Reserva. O dia começa e é a melhor altura para ver os elefantes a caminho do rio. Os babuinos a atravessar o rio a correr e aos saltos, para evitar os crocodilos...
Depois, de volta à pousada, um pequeno almoço divinal e, com um livro debaixo do braço, la ia eu até ao “crocodile view point”. Sentada à sombra de uma arvore na esplanada, dormitava um pouco, acordava e la estavam à minha frentre os crocodilos imoveis meios submersos na agua. Lia umas paginas, voltava a olhar para o rio castanho, e la estavam os mesmos crocodilos no mesmo sitio. Que calor, uff!
Depressa me habituei a este ritual, a este ritmo Pole Pole...

Abelha Maia
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:04
link do post | comentar | favorito
Domingo, 28 de Agosto de 2005

Olhem...


Reuters/ Will Burgess

É os`Rei Juliánu à bronziár-si!...
Ó num é??... Carámbas, qui tou cúnfusa!

publicado por Sofia Bragança Buchholz às 05:14
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 26 de Agosto de 2005

Desabafos de autor

Sabia que, mais tarde ou mais cedo, me iria deparar com um post meu noutro blog e que, de alguma forma, me iria doer.
Angustia-me ver as minhas coisas – textos ou fotos – espalhadas por aí, desarrumadas, mal tratadas, sem links que as remetam para o original (ou apenas, desleixadamente, através de um “aqui”), esquecendo o nome do autor e do blog que tão carinhosamente as fez nascer. Aflige-me saber as minhas palavras dedilhadas por outros dedos, alinhadas em outros templates, escritas a outra cor que não aquela que para elas, cuidadosamente, pensei. Assusta-me sabê-las perdidas, separadas, afastadas umas das outras, longe dos pensamentos originais e dos alinhamentos a elas destinados.
Já escrevi livros. É diferente. Existe sempre o nosso nome, num cantinho, algures. Existe sempre aquela coisa chamada “rigidez” de impressão, firewall precioso contra o vírus, letal, copy-paste, que prende as letras ao papel, amarrando as palavras que formam, para sempre, ao seu autor.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 03:54
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Quinta-feira, 25 de Agosto de 2005

Simão, o galã

Personagens:
Simão, 4 anos
Tomás, 7 anos
Eu

Acção:
Preparamo-nos para deixar a piscina de um Club de Golf “pinoca” da zona, e o Simão informa-me a mim e ao irmão que tem de se ir despedir dos amigos. Com o seu saco de tacos (minis) de golf às costas vejo-o dirigir-se a um grupo de crianças de várias idades e ouço-o dizer um “Xau, malta!” “inturmado”.
De regresso, passa por uma menina aí de uns seis anos, que todo tempo havia ensaiado passos e poses de ballet na borda da piscina, e com todo o seu charme e ar gozão atira outro “Xau…” a que a menina responde com um sorriso, mas que logo suspende, ao ouvir o “… barriguda!” que remata o fim da frase.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 01:26
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Simão, o hipocondríaco II

Personagens:
Simão, 4 anos
Tomás, 7 anos
Eu, xx anos (que a minha idade não interessa aqui para nada)

Cenário:
Na piscina de um Club de Golf “pinoca” da zona, o Simão e o Tomás brincam, com o entusiasmo habitual de duas crianças da idade deles.
Ao fundo, outras crianças brincam também, enquanto as respectivas mães, avós, e tias − sobretudo tias − tostam ao sol e põem as novidades das últimas férias no Algarve, em dia.
Eu durmo. Ou finjo, vigiando pelo canto do olho esquerdo, semi-cerrado, o movimento das “minhas” crias e pelo do direito a conversa das outras.

Acção:
De repente, o Tomás, em defesa de um empurrão traiçoeiro que o fez cair de "chapola" na água, agarra o irmão por trás, levantando-o do solo os míseros centímetros que a sua parca força permite, conduzindo-o à piscina. O Simão, fiteiro, observador atento dos habituais queixumes do avô materno, e com fortes dotes para as artes dramáticas, abre as goelas, leva a mão ao peito e numa voz histérica de pânico e aflição simulada, desata a gritar:
− Ai, o meu coração! Aiiii, o meu coração!!
A piscina inteira parou − se fosse noite, poder-se-ia ver a spotlight deslocar-se lentamente e centrar-se na estrela do espectáculo − e em silêncio, a audiência voltou o olhar para a criança.
Eu, com uma vontade enorme de me enterrar ainda mais na espreguiçadeira onde estava deitada e simular um sono profundo que me ilibasse daquele show, levantei-me num pulo para o fazer calar e com um sorriso amarelo esclareci:
− Ele ouve isto ao avô… − E ainda, para acalmar a plateia desconfiada que continuava paralisada − E aos pais que são médicos… Ele não tem nada, a sério.
publicado por Sofia Bragança Buchholz às 00:58
link do post | comentar | favorito

ver perfil

seguir perfil

. 9 seguidores

Espelho meu...

Nome: Eterna Descontente
Local: Lua, Mundo da Lua
eternadescontente@gmail.com

O meu alter-ego:
Sofia Bragança Buchholz

© Reservados todos os Direitos de Autor. Todos os textos, excepto quando devidamente assinalados, são da autora e a sua reprodução encontra-se interdita.

Sofia Bragança Buchholz

Era uma vez...

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Fevereiro 2015

Novembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

tags

todas as tags

pesquisar

subscrever feeds